Promoção!
CapaOJogoDasAndorinhas
065OJogoDasAndorinhas014065OJogoDasAndorinhas015065OJogoDasAndorinhas020065OJogoDasAndorinhas089065OJogoDasAndorinhas140

O Jogo das Andorinhas

R$42,00 R$36,00

Formato: 16 x 23 cm
Preto e Branco
Páginas: 192

Em estoque

REF: 978-85-60090-65-5 Categorias , Etiquetas: ,

Descrição do produto

Quando Zeina nasceu a Guerra Civil Libanesa já durava seis anos e fazia parte do cotidiano para ela, seus pais e seu irmão menor. A cidade de Beirute estava cortada ao meio por muros de tijolos e sacos de areia, ameaçada por bombas e franco-atiradores. Beirute Oriental pertencia aos cristãos e Beirute Ocidental aos muçulmanos. Quando os pais de Zeina não retornam de uma visita ao outro lado da cidade e os bombardeios ficam mais intensos, os vizinhos criam um mundo para Zeina e seu irmão em seu apartamento, onde podem compartilhar lições de culinária, brincadeiras e fofocas. Juntos tentam sobreviver a uma noite dramática no local em que acreditam que sempre estarão seguros e protegidos.
Zeina Abirached reuniu em O Jogo das Andorinhas suas lembranças da infância em Beirute, em uma apaixonante história sobre a determinação e a força da família e da comunidade.


Zeina Abirached nasceu em Beirute em 1981, em uma família libanesa cristã, no meio da guerra civil, e tinha dez anos quando o conflito finalmente terminou. Estudou artes gráficas e design na Academia Libanesa de Belas Artes (ALBA). Em 2002, recebeu o prêmio principal do Festival Internacional de Histórias em Quadrinhos de Beirute por sua primeira graphic novel, Beyrouth-Catharsis. Mudou-se para Paris em 2004 para estudar na Escola Nacional de Artes Decorativas.
Em 2006, pesquisando em um arquivo de notícias online da França, encontrou um documentário de TV realizado em Beirute em 1984. Os repórteres estavam entrevistando os moradores de uma rua próxima à linha de demarcação que dividia a cidade em dois. Uma mulher, cuja casa havia sido atingida pelos bombardeios, dizia uma única e chocante frase: “Sabe, eu acho que talvez ainda estejamos mais ou menos seguros aqui”. Essa mulher era sua avó. Naquele momento ela soube que tinha que contar a história da vida deles em Beirute.