CapaErzsebet
078Erzsebet075078Erzsebet100078Erzsebet104078Erzsebet015

Erzsébet

R$40,00

Formato: 16 x 23 cm
Preto e Branco
Páginas: 144

Em estoque

REF: 978-85-60090-78-5 Categoria Etiquetas: ,

Descrição do produto

Erzsébet Báthory, a infame condessa húngara contemporânea de Shakespeare, ao contrário deste, incarnou como poucos o lado negro e animalesco do ser humano. Atribuem a Erzsébet centenas de crimes inomináveis – e por isso ficou conhecida como Tigresa de Csejthe e Condessa Sanguinária – que a colocaram no mesmo lendário patamar de Gilles de Rais e Vlad, o Empalador. Por detrás de seu rosto pálido, de olhar impassível e melancólico, ocultava-se o próprio demônio, Ördög.
Em Erzsébet, o quadrinista português Nunsky recria com maestria a vida sombria desta personagem misteriosa e assustadora.


Nunsky (1972) é um autor do norte de Portugal que em 1997 participou do zine Mesinha de Cabeceira, editado pela Associação Chili Com Carne. Desenhou todo o número 13, uma edição comemorativa dos 5 anos de existência da publicação. A história em quadrinhos, intitulada 88, pode ser considerada única no panorama português da época , mas também nos dias de hoje, pela temática psycho-goth e pela qualidade gráfica que lembra Love & Rockets e os quadrinhos de Charles Burns.
Desde então o autor esteve afastado das HQs, preferindo tornar-se vocalista da banda The ID’s, cujo destino é desconhecido. Nunsky foi um cometa na HQ underground portuguesa e, como sabemos, alguns cometas costumam regressar passado muito tempo…
Em 2014 o autor reapareceu com a graphic novel Erzsébet, editada em Portugal pela Chili Com Carne, onde em cerca de 140 páginas registra a brutalidade de Erzsébet Báthory, a infame condessa húngara acusada de assassinar centenas de jovens na busca pela eterna juventude. O livro ganhou o prêmio de Melhor Desenho no Festival de BD de Amadora em 2015.
Em 2015 Nunsky apresentou-nos Nadja – Ninfeta Virgem do Inferno, verdadeiro deboche gráfico para fãs distópicos do RanXerox e, em 2016, Espero Chegar Em Breve, baseada em um conto de Philip K. Dick.